História e Bíblia

UMA PONTE PARA O CONHECIMENTO

Translate

Follow by Email

Total de visualizações de página

SEJA UM SEGUIDOR


Olá, seja bem vindo ao blog HISTÓRIA E BÍBLIA! Gostária de convidá-lo a
ser um seguidor. Basta clicar em seguir ao lado e seguir as orientações.
terça-feira, 11 de agosto de 2009

OS TRÊS IMPERATIVOS DE CRISTO - Parte 4

3. Ficai – A Capacitação do Líder.

“Eis que envio sobre vos a promessa de meu Pai; permanecei (ficai), pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder”. Lc 24.49.

Apesar de Jesus ter executado brilhantemente o VINDE na vida dos discípulos, ele, antes do IDE, lhes deu um outro imperativo fundamental – FICAI.
Aqui Jesus esta se referindo, não ao selo, ou ao penhor, ou a presença do Espírito Santo, mas ao Batismo no Espírito Santo, que é o Revestimento de Poder:

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda Judéia e Samaria, e até os confins do mundo” At 1.8.

Este é o objetivo e finalidade do Batismo no Espírito Santo, a capacitação para executar a obra de Deus com poder.
Como já mencionamos, os apóstolos já conheciam bem as escrituras antes do dia de Pentecostes, mas lhes faltava o poder. É, portanto fundamental para uma liderança diferenciada, o poder de Deus sobre a vida do obreiro.

Ficai ou Permanecei. Estas são as palavras utilizadas. Não dá a idéia de movimento, ou de ação, mas de espera. O Ide, sim, traz a idéia de ação e movimento, mas Ficai, não. Logo fica evidenciado que o líder não pode liderar (agir) antes de ficar para receber algo que lhe será essencial – PODER.
Prefiro a palavra permanecer, pois expressa melhor o significado do que Cristo queria comunicar a seus discípulos.
Permanecer significa: ficar do mesmo modo; continuar, conservar-se; seguir existindo; deixar-se ficar em certo lugar, por certo tempo; insistir com firmeza; persistir.
A idéia aqui transmitida não é de cessar algo que se estava fazendo, mas parar por algum tempo, a fim de receber algo.
Muitos devido à interpretação precipitada do Ide, são absolutamente contra a idéia do Ficai. Mas, por mais contraditório que possa parecer, (não nos falta livros e mensagens que nos convencem da urgência do Ide), Jesus disse: FICAI – PERMANECEI. Todavia a contradição só existe na mente dos que não perceberam o significado e importância dos três Imperativos de Cristo. Eu particularmente confirmo praticamente todas as mensagens e livros que li sobre a urgência do Ide, mas ele só será eficazmente desenvolvido quando passarmos pelo Vinde e o Ficai. No nosso desespero pelo Ide acabamos por perder um tempo precioso que não terá mais volta. Mais uma vez afirmo, não foi por acaso que Cristo deixou nas entrelinhas dos evangelhos essa seqüência – Vinde, Ficai e Ide. Apenas entendendo as parte e depois vendo o todo poderemos contemplar a perfeição do programa de Cristo.

a. Atos e Evangelhos
Imagine se na Bíblia não tivesse os Evangelhos, ou se tivesse os evangelhos e não tivesse o livro de Atos. Quais imagens nós teríamos dos apóstolos? Sem Atos, temos apenas um grupo de seguidores de Jesus, que não demonstra muita sabedoria, firmeza, fé, poder, ou seja, nada parecidos com seu Mestre. Sem os Evangelhos, encontramos um grupo extraordinário, que certamente podem ser colocados na galeria dos heróis da fé. Milagres, curas, mensagens poderosas e demonstrações de amor não faltam. Mas porque existe essa discrepância? Porque as mesmas pessoas são tão diferentes? O que aconteceu?! Talvez, não explique tudo, mas eu compreendo muito, verificando que o Permanecei foi executado nas vidas daqueles frágeis homens. O poder veio; a capacitação foi lhes dada. Não se tornaram perfeitos, mas estavam vivendo a vida em abundancia prometida (Jo 10.10). É claro que muitos, como eu, apontam o inicio do processo de regeneração e ação do Espírito Santo sobre os discípulos a partir de Jo 20.22, mas não cabe aqui um debate sobre o tema. O indiscutível é que eles mudaram, ou melhor, foram feitos, e receberam poder do alto. Os Evangelhos, por revelar a humanidade e simplicidade dos apóstolos, revelam que a capacidade e poder não eram propriedade deles, mas algo que eles receberam. O livro de Atos, ao mostrar uma igreja poderosa e extraordinária, revela que os mais frágeis e pecadores podem ser feitos pessoas poderosas.

b. O texto de Lucas e de Atos
O Ficai é a força motriz do Ide, ou seja, foi no cumprimento do Ficai que os apóstolos receberam poder de execução do Ide, foi a ferramenta dada por Cristo para o trabalho que ele lhes encarregou. Dessa forma podemos afirmar que aquele que busca cumprir o Ide, sem ter tido a experiência do poder do Espírito Santo sobre sua vida, está tentando executar uma tarefa sem possuir o essencial para o êxito de sua missão.
Gostaria de citar o comentário que Leon Morris fez de Lc 24.49:

“Os discípulos não devem tentar a tarefa da evangelização com seus próprios parcos recursos, mas, sim, devem aguardar a vinda do Espírito. O equipamento que Ele forneceria é descrito de forma pitoresca em termos de os discípulos serem revestidos de poder do alto. A nota de poder é significante, e do alto lembrava eles (e nos lembra também) qual é a fonte de todo verdadeiro poder para a evangelização” (MORRIS, 2000, p. 322)

No versículo anterior, Jesus chama seus discípulos de testemunhas, significando não apenas que eles eram provas vivas das coisas que se passaram (vida, morte e ressurreição de Jesus), mas que eles seriam os proclamadores das boas novas (evangelho) até os confins da terra; significando que um ministério lhes estava sendo confiado.

“No entanto, esse ministério ativo só poderá ser desempenhado pelo poder que vem de cima; e Jesus instrui seus discípulos prometendo-lhes que desse poder serão revestidos. Esse poder, conforme descobriremos em Atos 1:8 e 2:2-4 vem do Espírito Santo”. (EVANS, 1996, p. 402)

O texto de Atos 1.8 traz a informação, recebereis poder, ao descer sobre vos o Espírito Santo, mas poderia ser traduzido “vós recebereis poder do Espírito Santo que descerá sobre vós” (WILLIAMS, 1990, p.37). O fato, entretanto, é que aqui a referencia não é a presença do Espírito Santo na vida do cristão, que começa a partir de sua conversão (Ef 1.13), mas a recebimento de poder.
O Espírito Santo é nosso bem maio. Ele convence o homem do pecado (Jo 16.8); ele regenera (Jo 3.5); ele gera em nós um novo caráter, o seu fruto (Gl 5.22). Porém, apesar de tudo acima não poder faltar na vida do cristão, para uma liderança eficaz (e para se executar qualquer atividade na obra de Deus), o poder do Espírito Santo é indispensável.
A seqüência do versículo é significativa: e sereis minhas testemunhas, trazendo inclusa a idéia de que após (somente após) receberem o poder do alto passariam a ser efetivamente testemunhas, ou como já mencionamos acima , exercer um ministério.
O meu propósito nesse trabalho é mostrar algumas características que não devem faltar à liderança. Pela História da Igreja, pelo livro de Atos, fica categoricamente confirmado que o revestimento de poder era fundamental para o desempenho das atividades de liderança da igreja primitiva.
O Ficai é Poder, que vem do Alto, para que a seguir possa ser efetuado o Ide.
O pastor Billy Graham, considerado o maior ganhador de almas do século XX, ainda que não creia em “batismo no Espírito Santo” como pregado pelos pentecostais, procura mostrar em seu livro Espírito Santo, que muitas vezes existe uma confusão de termos, ou nomes dado:

“Portanto é de suma importância ser cheio do Espírito. Mas não devemos nos confundir com a terminologia, Alguns cristãos usam termos como "o segundo batismo", "a segunda bênção" ou "a segunda graça"; não encontramos nenhum destes termos na Bíblia, mas eu entendo que para muitas pessoas eles são apenas equivalentes para a plenitude do Espírito. O nome que darmos ao fato é menos importante que sermos mesmo cheios do Espírito”. (GRAHAM, 1983, p. 98)

Ele reconhece que o revestimento de poder é indispensável para a vida cristã e tem um propósito:

“É claro que Deus tem um propósito em querer que nós fiquemos cheios do Espírito. Vemos isto em Atos 4:31: "Todos ficaram cheios do Espírito, e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus." Em outras palavras, os discípulos ficaram cheios com um propósito – anunciar a palavra de Deus. "Qual a minha motivação para querer ficar cheio do Espírito? O meu desejo é meramente de interesse próprio, para autoglorificação e auto-satisfação, ou é para glorificar a Cristo?" são perguntas a que cada cristão deve responder”. (GRAHAM, 1983, p. 102)

Esse é o Ideal de Cristo. Vinde, Ficai e depois Ide. Para a liderança seria: Vinde, aprendei, entendei e sede feitos. Recebei poder, capacitação para levar o que receberam adiante. Agora Ide.

0 comentários: