História e Bíblia

UMA PONTE PARA O CONHECIMENTO

Translate

Follow by Email

Total de visualizações de página

SEJA UM SEGUIDOR


Olá, seja bem vindo ao blog HISTÓRIA E BÍBLIA! Gostária de convidá-lo a
ser um seguidor. Basta clicar em seguir ao lado e seguir as orientações.
sexta-feira, 21 de agosto de 2009

O relato de um sobrevivente da Bomba Atômica

Criança sobrevivente da explosão nuclear


No dia 6 de agosto de 1945 a cidade japonesa de Hiroshima foi atingida pela bomba atômica, e três dias depois, a cidade de Nagasaki também conheceu o impacto nuclear. O saldo foi de cerca de 160.000 pessoas mortas instantaneamente (nas duas cidades). O número aumenta se considerarmos as mortes decorrentes pelas radiações (queimaduras, e câncer, etc.).

Hiroshima destruída

a única estrutura que resistiu a explosão (Hiroshima), conservada como memorial


Abaixo segue o texto escrito pelo médico Takashi Nagai, que estava presente em Nagasaki no dia do ataque nuclear.

DOCUMENTO
“A pressão imediata foi tamanha que, no raio de um quilômetro, todo ser humano que se encontrava do lado de fora, ou num local aberto, morreu instantaneamente ou dentre de poucos minutos. A quinhentos metros da explosão, uma jovem mãe foi encontrada com o ventre aberto, seu bebê entre as pernas. Muitos cadáveres perderam suas entranhas. A setecentos metros, cabeças foram arrancadas e, por vezes, os olhos saltavam das órbitas. Alguns em conseqüência de hemorragias internas, estavam brancos como folha de papel, os crânios fraturados deixavam destilar o sangue pelos ouvidos. O calor chegou a tal violência que, a quinhentos metros, os rostos foram atingidos a ponto de ficarem irreconhecíveis. A um quilômetro, as queimaduras atômicas tinham dilacerado a pele, fazendo-as cair em tiras, dando-lhe um tom marrom avermelhado e deixando à vista a carne sangrenta. A primeira impressão não foi, segundo parece, a de calor, mas a de dor intensa, seguida de frio excessivo. A pele levantada era frágil e saia facilmente. A maioria das vítimas morria com rapidez”

(Takashi Nagai (1910-1951). Os sinos de Nagasaki. In: José Augusto Dias Jr.; Rafael Rouybicek. O brilho de mil sóis: história da bomba atômica. São Paulo: Ática, 1994. p. 48-49)


Nagasaki destruída

Este ato criminoso de Guerra foi cometido pelos ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA no final da Segunda Guerra Mundial. Isso todo mundo sabe, mas você já parou para pensar na seguinte questão:

Por que será que os criminosos de guerra, nazistas alemães e italianos, foram julgados e condenados e os americanos (aliados) jamais o foram?

OBS: Em 1945-46, em Nuremberg, foram julgados os principais líderes nazistas por crimes contra a humanidade. (Onze deles foram condenados ao enforcamento).
Os atos covardes e desumanos dos alemães nazistas contra os judeus podem muito bem serem (em maior ou menor grau, não importa) comparados ao ataque nuclear a população civil japonesa.

Qual é o tipo de justiça existente? A justiça dos vencedores, que pune seus adversários, mas jamais se põe em juízo! A justiça do forte, que se passa por herói e civilizado, e mascara seus crimes hediondos! A justiça enrustida de injustiças! A justiça dos que se justificam de seus crimes apontando os crimes dos outros! A justiça de meias medidas, que serve para pesar os pecados dos adversários, mas em hipótese alguma poderá pesar os seus juízes!


♦♦♦♦♦♦♦

Uma aplicação pessoal:
E a justiça e julgamento que você tem expressado sobre o que lhe rodeia?
Também pode ser aplicado a você? Será que você mesmo passaria pelos seus próprios julgamentos?

Sobre isso o Mestre de Israel disse:

“Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também. Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.” (Mateus 7. 1 – 5)

“Dois pesos e duas medidas, uns e outras são abomináveis ao Senhor.” (Provérbios 20.19)

0 comentários: