História e Bíblia

UMA PONTE PARA O CONHECIMENTO

Translate

Follow by Email

Total de visualizações de página

SEJA UM SEGUIDOR


Olá, seja bem vindo ao blog HISTÓRIA E BÍBLIA! Gostária de convidá-lo a
ser um seguidor. Basta clicar em seguir ao lado e seguir as orientações.
sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Construção de Templos X Construção de Vidas




O texto abaixo é parte do livro "Viagem pela História do Brasil".


A descoberta e exploração do ouro brasileiro ocorreram no reinado de D.João V (...). O período foi marcado por desvario [loucura] típico dos enriquecem depressa. Além do costume de presentear amigos com caixotes de ouro, o rei tinha paixão por obras faraônicas. Empregou 40 mil pessoas na construção do suntuoso convento de Mafra, encheu a cidade de monumentos, rasgou canais e aquedutos. E como a riqueza era grande, o rei pouco ligava para os negócios do estado (...). Em Portugal, o fausto ajudava a disfarçar a situação difícil que vinha desde as invasões holandesas.
(...). Nenhuma das prodigalidades [gasto excessivo, esbanjamento] de D.João superou a da construção do convento de Mafra. Feito para pagar uma promessa pelo nascimento de sua primeira filha, tornou-se um dos mais acabados exemplos de desperdício da história portuguesa.
Sua construção teve inicio em 1716 (...). Em 1729, havia 40 mil pessoas trabalhando na obra (...). Para abrigar todo o pessoal envolvido na construção, foram erguidas 2 mil casas de madeira e criado três hospitais com quinhentos leitos. Uma tropa de 2 mil soldados foi destacada para cuidar da segurança do aglomerado de 60 mil pessoas que se formou em torno da obra. Na decoração do grandioso convento, o rei não economizou. Os sinos foram feitos na Holanda e na Itália, de toda a Europa chegaram pranchas de nogueira para a forração das paredes, 2 mil metros de tecido brocado [tecido com desenhos em relevo bordados com fios de ouro e/ou prata] foram usados nos paramentos dos padres [e] adquiriram-se copos e talheres de cobre (...).
A obra durou Até 1735 e consumiu 120 milhões de cruzados – o equivalente a 140 toneladas de ouro, tudo o que a Coroa arrecadara em vinte anos de exploração das minas brasileiras.


(Jorge Caldeira et al. Viagem pela História do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. pp. 90-91)

Interior do convento de Mafra



Uma Reflexão:

Pela simples leitura do texto acima, podemos observar os desvios que a religião cristã teve do cristianismo. O homem é filho do seu tempo, fruto de sua sociedade, de sorte que o catolicismo do século XVI concebeu homens com a mente como D.João V.

A incompatibilidade do espírito do catolicismo com o evangelho está pelo simples fato de numa época em que havia tanta pobreza em Portugal, o seu rei, fez o que achou ser uma grande obra para Deus: Construir uma mega igreja revestida de ouro. Enganou-se o tolo, pois se Deus deu o que tinha de melhor pela humanidade – seu próprio filho – como poderemos agir fora desse sentimento de doação e socorro! Não, não é do evangelho nem de Cristo, gastar-se tanto na construção de templo, enquanto o próprio povo que o freqüenta morre de fome; os padres vestindo brocados de ouro, e o povo na mais severa pobreza.

Os discípulos tentaram empolgar Jesus com a magnificência do templo de Jerusalém, mas observe a cena:


“Tendo Jesus saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos para lhe mostrar as construções do templo. Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.”
(Mateus 24.1 e 2)

E mais, no inicio da era cristã, não havia templos para os cristãos, de sorte que eles se reuniam em casas. Quando lemos na Bíblia a palavra igreja, o autor estava imaginando as pessoas e não um edifício. Apenas depois do século II os cristãos começaram a usar templo.

É triste ver em nossos dias pessoas que ainda acreditam que fazem a vontade de Deus seja construir igreja (edifícios, prédios), enquanto o povo perece sem conhecer a transformação de caráter, de vida, que Jesus oferece. A obra de Jesus foi:


O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor.
(Lucas 4.18 e 19)

Eu concordo que deva haver bons templos que acomodem bem o público. Oxalá que todas as igrejas tivessem prédios para atender suas necessidades. Mas o erro reside no fato em priorizarmos o material e desprezarmos o humano. Com Jesus, não era assim; antes ele quis construir vidas. Catedrais suntuosas sem o amor de Cristo estão vazias de Deus! E igrejas muito simples, mas que vivem o amor do evangelho são plenamente habitadas por Deus. A diferença não esta na beleza da catedral, mas na beleza da alma dos que a freqüentam!

Hoje a corrida pelos melhores templos é dos evangélicos, que constroem mega igrejas, mas muitas vezes seus freqüentadores dormem com fome por não terem o que comer. Os brocados de ouro de nossos dias são dos pastores, bispos e apóstolos, que amam as riquezas e desprezam os pobres.

Agrada-me muito as igrejas que em seus prédios tem espaço para crianças, adolescentes, jovens, e para a terceira idade. Que investem no material buscando não ter aparência de belo, mas em colaborar para a transformação de vidas! Ai sim, todo recurso material deve ser dependido sem dó, pois a prioridade é a prioridade de Jesus: construir o reino de Deus nas vidas das pessoas, e não a construção de um reinado material na terra.


QUAL É A PRIORIDADE? O SER OU O TER?




Não temais, ó pequenino rebanho; porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino. Vendei os vossos bens e dai esmola; fazei para vós outros bolsas que não desgastem, tesouro inextinguível nos céus, onde não chega o ladrão, nem a traça consome, porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.
(Lucas 12. 33 e 34)


segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Se os Tubarões Fossem Homens


Bertold Brecht

Se os tubarões fossem homens, eles seriam mais gentís com os peixes pequenos. Se os tubarões fossem homens, eles fariam construir resistentes caixas do mar, para os peixes pequenos com todos os tipos de alimentos dentro, tanto vegetais, quanto animais. Eles cuidariam para que as caixas tivessem água sempre renovada e adotariam todas as providências sanitárias cabíveis se por exemplo um peixinho ferisse a barbatana, imediatamente ele faria uma atadura a fim de que não morressem antes do tempo. Para que os peixinhos não ficassem tristonhos, eles dariam cá e lá uma festa aquática, pois os peixes alegres tem gosto melhor que os tristonhos.

Naturalmente também haveria escolas nas grandes caixas, nessas aulas os peixinhos aprenderiam como nadar para a guela dos tubarões. Eles aprenderiam, por exemplo a usar a geografia, a fim de encontrar os grandes tubarões, deitados preguiçosamente por aí. Aula principal seria naturalmente a formação moral dos peixinhos. Eles seriam ensinados de que o ato mais grandioso e mais belo é o sacrifício alegre de um peixinho, e que todos eles deveriam acreditar nos tubarões, sobretudo quando esses dizem que velam pelo belo futuro dos peixinhos. Se encucaria nos peixinhos que esse futuro só estaria garantido se aprendessem a obediência. Antes de tudo os peixinhos deveriam guardar-se antes de qualquer inclinação baixa, materialista, egoísta e marxista. E denunciaria imediatamente os tubarões se qualquer deles manifestasse essas inclinações.

Se os tubarões fossem homens, eles naturalmente fariam guerra entre si a fim de conquistar caixas de peixes e peixinhos estrangeiros. As guerras seriam conduzidas pelos seus próprios peixinhos. Eles ensinariam os peixinhos que, entre os peixinhos e outros tubarões existem gigantescas diferenças. Eles anunciariam que os peixinhos são reconhecidamente mudos e calam nas mais diferentes línguas, sendo assim impossível que entendam um ao outro. Cada peixinho que na guerra matasse alguns peixinhos inimigos da outra língua silenciosos, seria condecorado com uma pequena ordem das algas e receberia o título de herói.

Se os tubarões fossem homens, haveria entre eles naturalmente também uma arte, haveria belos quadros, nos quais os dentes dos tubarões seriam pintados em vistosas cores e suas guelas seriam representadas como inocentes parques de recreio, nas quais se poderia brincar magnificamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam como os valorosos peixinhos nadam entusiasmados para as guelas dos tubarões.A música seria tão bela, tão bela, que os peixinhos sob seus acordes e a orquestra na frente, entrariam em massa para as guelas dos tubarões sonhadores e possuídos pelos mais agradáveis pensamentos. Também haveria uma religião ali.

Se os tubarões fossem homens, eles ensinariam essa religião. E só na barriga dos tubarões é que começaria verdadeiramente a vida. Ademais, se os tubarões fossem homens, também acabaria a igualdade que hoje existe entre os peixinhos, alguns deles obteriam cargos e seriam postos acima dos outros. Os que fossem um pouquinho maiores poderiam inclusive comer os menores, isso só seria agradável aos tubarões, pois eles mesmos obteriam assim mais constantemente maiores bocados para devorar. E os peixinhos maiores que deteriam os cargos valeriam pela ordem entre os peixinhos para que estes chegassem a ser, professores, oficiais, engenheiros da construção de caixas e assim por diante. Curto e grosso, só então haveria civilização no mar, se os tubarões fossem homens.

Bertolt Brecht, escritor e diretor do teatro alemão (1898-1956).

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

O Soluço de um bilhão de almas




Diz-se que Martinho Lutero tinha um amigo íntimo, cujo nome era Miconio. Ao ver Lutero sentado dias a fio trabalhando no serviço do Mestre, Miconio ficou penalizado e disse-lhe: "Posso ajudar mais onde estou; permanecerei aqui orando enquanto tu perseveras incansavelmente na luta." Miconio orou dias seguidos por Martinho. Mas enquanto perseverava em oração, começou a sentir o peso da própria culpa. Certa noite sonhou com o Salvador, que lhe mostrou as mãos e os pés. Mostrou-lhe também a fonte na qual o purificara de todo o pecado. "Segue-me!" disse-lhe o Senhor, levando-o para um alto monte de onde apontou para o nascente.



Miconio viu uma planície que se estendia até o longínquo horizonte. Essa vasta planície estava coberta de ovelhas, de muitos milhares de ovelhas brancas. Somente havia um homem, Martinho Lutero, que se esforçava para apascentar a todas. Então o Salvador disse a Miconio que olhasse para o poente; olhou e viu vastos campos de trigo brancos para a ceifa. O único ceifador,que lidava para segá-los, estava quase exausto, contudo persistia na sua tarefa. Nessa altura, Miconio reconheceu o solitário ceifeiro, seu bom amigo, Martinho Lutero! Ao despertar do sono, tomou esta resolução: "Não posso ficar aqui orando enquanto Martinho se afadiga na obra do Senhor. As ovelhas devem ser pastoreadas; os campos têm de ser ceifados. Eis-me aqui, Senhor; envia-me a mim!" Foi assim que Miconio saiu para compartilhar do labor de seu fiel amigo.

Jesus nos chama para trabalhar e orar. É de joelhos que a Igreja de Cristo avança. Foi Lionel Fletcher quem escreveu:

"Todos os grandes ganhadores de almas através dos séculos foram homens e mulheres incansáveis na oração. Conheço como homens de oração quase todos os pregadores de êxito da geração atual, tanto como os da geração próxima passada, e sei que, igualmente, foram homens de intensa oração.

"Certo evangelista tocou-me profundamente a alma quando eu era ainda jovem repórter dum diário. Esse evangelista estava hospedado em casa de um pastor presbiteriano. Bati à porta e pedi para falar com o evangelista. O pastor, com voz trêmula e com o rosto iluminado por estranha luz, respondeu:

"Nunca se hospedou um homem como ele em nossa casa. Não sei quando ele dorme. Se entro no seu quarto durante a noite para saber se precisa de alguma coisa, encontro-o orando. Vi-o entrar no templo cedo de manhã e não voltou para as refeições.

"Fui à igreja... Entrei furtivamente para não perturbá-lo. Achei-o sem paletó e sem colarinho. Estava caído de bruços diante do púlpito. Ouvi a sua voz como que agonizante e comovente instando com Deus em favor daquela cidade de garimpeiros, para que dirigisse almas ao Salvador. Tinha orado toda a noite; tinha orado e jejuado o dia inteiro.

"Aproximei-me furtivamente do lugar onde ele orava prostrado, ajoelhei-me e pus a mão sobre seu ombro. O suor caía-lhe pelo corpo. Ele nunca me tinha visto, mas fitou-me por um momento e então rogou: 'Ore comigo, irmão! Não posso viver se esta cidade não se chegar a Deus.' Pregara ali vinte dias sem haver conversões. Ajoelhei-me ao seu lado e oramos juntos. Nunca ouvira alguém insistir tanto como ele. Voltei de lá assombrado, humilhado e estremecendo.

"Aquela noite assisti ao culto no grande templo onde ele pregou. Ninguém sabia que ele não comera durante o dia inteiro, que não dormira durante a noite anterior. Mas, ao levantar-se para pregar, ouvi diversos ouvintes dizerem: 'A luz do seu rosto não é da terra!' E não era mesmo. Ele era conceituado instrutor bíblico, mas não tinha o dom de pregar. Porém, nessa noite, enquanto pregava, o auditório inteiro foi tomado pelo poder de Deus. Foi a primeira grande colheita de almas que presenciei."


Há muitas testemunhas oculares do fato de Deus continuar a responder às orações como no tempo de Lutero, Edwards e Judson. Transcrevemos aqui o seguinte comentário publicado em certo jornal:

"A irmã Dabney é uma crente humilde que se dedica a orar... Seu marido, pastor de uma grande igreja, foi chamado para abrir a obra em um subúrbio habitado por pobres. No primeiro culto não havia nenhum ouvinte: somente ele e ela assistiram. Ficaram desenganados. Era um campo dificílimo: o povo não era somente pobre, mas depravado também. A irmã Dabney viu que não havia esperança a não ser clamar ao Senhor, e resolveu dedicar-se persistentemente à oração. Fez um voto a Deus que, se Ele atraísse os pecadores aos cultos e os salvasse, ela se entregaria à oração e jejuaria três dias e três noites, no templo, todas as semanas, durante um período de três anos.

"Logo, que essa esposa de um pastor angustiado começou a orar, sozinha, no salão de cultos, Deus começou a operar, enviando pecadores, a ponto de o salão ficar superlotado de ouvintes. Seu marido pediu que orasse ao Senhor e pedisse um salão maior. Deus moveu o coração de um comerciante para desocupar o prédio fronteiro ao salão, cedendo-o para os cultos. Continuou a orar e a jejuar três vezes por semana, e aconteceu que o salão maior também não comportava os auditórios. Seu marido rogou-lhe novamente que orasse e pedisse um edifício onde todos quantos desejassem assistir aos cultos pudessem entrar. Ela orou e Deus lhes deu um grande templo situado na rua principal desse subúrbio. No novo templo, também a assistência aumentou a ponto de muitos dos ouvintes serem obrigados a assistir às pregações de pé, na rua. Muitos foram libertos do pecado e batizados."

Quando os crentes sentem dores em oração, é que renascem almas. "Aqueles que semeiam em lágrimas, com júbilo ceifarão."

"O soluço de um bilhão de almas na terra me soa aos ouvidos e comove o coração; esforço-me, pelo auxílio de Deus, para avaliar, ao menos em parte, as densas trevas, a extrema miséria e o indescritível desespero desses mil milhões de almas sem Cristo. Medita, irmão, sobre o amor do Mestre, amor profundo como o mar; contempla o horripilante espetáculo do desespero dos povos perdidos, até não poderes censurar, até não poderes descansar, até não poderes dormir."

Sentindo as necessidades dos homens que perecem sem Cristo, foi que Carlos Inwood escreveu o que lemos acima, e é por essa razão que se abrasa a alma dos heróis da igreja de Cristo através dos séculos.

Na campanha de Piemonte, Napoleão dirigiu-se aos seus soldados com as seguintes palavras: "Ganhastes sangrentas batalhas, sem canhões, atravessastes caudalosos rios sem pontes, marchastes incríveis distâncias descalços, acampastes inúmeras vezes sem coisa alguma para comer, tudo graças à vossa audaciosa perseverança! Mas, guerreiros, é como se não tivéssemos feito coisa alguma, pois resta ainda muito para alcançarmos!"

Guerreiros da causa santa, nós podemos dizer o mesmo: é como se não tivéssemos feito coisa alguma. A audaciosa perseverança nos é ainda indispensável; há mais almas para salvar atualmente do que no tempo de Müller, de Livingstone, de Paton, de Spurgeon e de Moody.
"Ai de mim, se não anunciar o Evangelho!" (1 Coríntios 9.16).

Não podemos tapar os ouvidos espirituais para não ouvir o choro e os suspiros de mais de um bilhão de almas na terra que não conhecem o caminho para o lar celestial.




BOYER, Orlando. Heróis da Fé. Rio de Janeiro, RJ. Editora Cpad.


O texto acima faz parte da introdução do livro Heróis da fé. Note que na época em que o missionário Orlando Boyer escreveu, população mundial era de cerca de 1 bilhão de pessoas, sendo que hoje já ultrapassa a casa dos 6 bilhões de habitantes.



Abu Nidhal
O grupo palestino foi formado em 1974 por Sabri Al Banna. Seus ataques têm como alvo Israel.

Abu Sayaf
O grupo terrorista filipino tenta implantar um estado islâmico na região sul do país. A suspeita é de que muitos militantes tenham sido treinados pelos muforam, que por sua vez foram treinados pelos mujahidin, veteranos afegãos, ex-combatentes da guerra contra a União Soviética, em 1988.

Al Qaeda
O grupo é formado pelos colaboradores do milionário saudita Osama bin Laden, acusado pelos atentados contra embaixadas americanas no Quênia e na Tanzânia, em 1998. Bin Laden, que vive escondido no Afeganistão, também é o responsável por ter planejado o ataque aos Estados Unidos, no dia 11 de setembro de 2001. As explosões no Capitólio e nas torres gêmeas do World Trade Center causaram a morte de milhares de pessoas.

Amal
Fundado em 1975 por Iman Musa Sadr, o grupo libanês tem características paramilitares.

Brigate Rosse
As "Brigadas Vermelhas" foram fundadas na Itália, na década de 1960. Foi o grupo mais atuante nos anos 1970, marcado pelo sequestro e assassinato do primeiro-ministro italiano, Aldo Moro, em 1978.

ESLA (Exército Secreto para a Libertação da Armênia)
O alvo principal do grupo, fundado em 1975, é a Turquia. Pretende defender os direitos históricos do povo armênio.

ETA (Pátria Basca e Liberdade)
Fundado em 1959, o Euskadi Ta Azkatasuna luta pela formação do País Basco, que ficaria situado parte no norte da Espanha e parte no sul da França. O primeiro atentado foi cometido em 7 de junho de 1968, e provocou a morte de Meliton Manzanas, chefe da polícia da cidade de San Sebastián. A organização praticou o maior ataque em 1980, deixando 118 mortos.

FLNC (Frente de Libertação Nacional da Córsega)
Fundado em maio de 1976, o grupo luta pela independência da ilha de Córsega. O movimento age por meio de ataques a bomba.

Hamas (Movimento da Resistência Islâmica)
O grupo extremista foi criado em 1987 depois da segunda intifada (resistência palestina à ocupação do território israelense). Contrário à existência de Israel e ao processo de paz entre palestinos e israelenses, o movimento usa suicidas para promover ataques terroristas em Israel. Atualmente, o Hamas tem a maioria das cadeiras do congresso da Autoridade Nacional Palestina, derrotando o partido menos radical, o Fatah.

Hezbollah
O movimento libanês surgiu na década de 1980. Luta contra a influência ocidental no mundo islâmico e se baseia na doutrina do aiatolá Khomeini, que liderou a revolução islâmica no Irã. O grupo se manifesta por meio de atentados a bomba e sequestros de avião.

IRA (Exército Republicano Irlandês)
A organização é formada por representantes da minoria católica da Irlanda do Norte. Ela começou a atuar nos anos de 1960 e defende a reunificação do país com a República da Irlanda, de maioria católica. Cerca de 60% da população da Irlanda do Norte é formada por protestantes. Os unionistas, como são chamados os protestantes, querem que o país continue ligado ao Reino Unido.

Jihad Islâmica
A organização foi formada no Egito, em 1980, por jovens palestinos. Atacar alvos israelenses é uma forma de estancar o processo de paz entre Israel e a Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Ela é apontada como responsável pela morte de 18 soldados israelenses em um ponto de ônibus na cidade de Beit Lid, em 1995. O grupo também assumiu a autoria de um atentado suicida em 12 de agosto de 2001, que feriu 15 pessoas em um restaurante na região norte de Israel.

Ordine Nuovo
O grupo italiano de extrema-direita foi fundado na década de 1950. Ele foi substituído pelo Ordine Nero, que assumiu a autoria do atentado a um comboio que ia de Nápoles para Milão, em 1984, no qual morreram dezenas de pessoas.

PKK (Partido Curdo dos Trabalhadores)
A organização pretende estabelecer um estado curdo para abrigar uma população de cerca de 20 milhões de pessoas, espalhas na Turquia, na Síria, no Iraque e no Irã. O grupo foi criado em 1978 e é liderado por Abdullah Ocalan, o "Apo", que mora em Damasco. Os alvos turcos são os preferidos.

Rote Armee (RAF)
A "Facção do Exército Vermelho" surgiu na década de 1970, na Alemanha, a partir do grupo Bader Meinhof. Com ideologia marxista-leninista, o grupo ataca empresas multinacionais, instalações da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e órgãos públicos alemães.

White Power
O grupo atua nos Estados Unidos e é formado por organizações paramilitares racistas de extrema-direita. O representante mais famoso da organização é o ex-soldado Timothy McVeigh, executado com uma injeção letal no dia 11 de junho de 2001. Ele foi considerado culpado pela explosão de um prédio federal em Oklahoma, em abril de 1995, que deixou 168 mortos.

Taleban
O grupo foi formado por estudantes de teologia islâmica que lutavam contra o regime comunista no Afeganistão durante a Guerra Fria. Em 1996, liderados por ex-combatentes afegãos da guerra contra a União Soviética, o Taleban tomou o poder e implantou rígidos códigos religiosos de conduta. O grupo domina cerca de 90% do país.

Tigres do Eelam Tamil
O grupo age desde 1976 no Sri Laka em defesa de uma etnia. Com outra cultura e idioma, ele reivindica a criação de um Estado próprio na parte ocidental da ilha, de maioria cingalesa. Em 17 de maio de 2009, os Tigres admitiram a derrota após 25 anos de guerra civil. A rendição está ligada à morte do principal líder do grupo, Vellupillai Prabhakaran.

Tupac Amaru (MRTA)
O Movimento Revolucionário Tupac Amaru é uma guerrilha peruana ligada ao grupo Sendero Luminoso. Sua ação mais conhecida foi a invasão da embaixada do Japão, em Lima, durante uma festa de ano novo.

(Fonte: Guia dos Curiosos)

sábado, 17 de outubro de 2009

ALARME FALSO


O texto abaixo é de autoria do escritor norueguês Jostein Gaarder (autor de O Mundo de Sofia). A obra data de 1986, ou seja, quando o mundo (a Europa especialmente) respirava o clima de insegurança gerado pela Guerra Fria. Tal insegurança e medo, em que os europeus mais especificamente viviam, podem ser sentidos na ficção abaixo.


ALARME FALSO

O relógio marcava cinco e treze. E ela estranhou não estar sentindo o menor sinal de medo.
O alarme antiaéreo das sirenes era absolutamente real. Ela podia ouvi-lo agora por toda a cidade. Mas o relógio marcava cinco e treze. E ela tinha lido o jornal nesse dia. Portanto, não podia ser um exercício.

Com certeza, era um alarme falso. Uma falha técnica. Um acidente.
Mesmo assim... Ela largou o pano de prato e foi até a janela. Na rua, tudo parecia normal. Os automóveis deslizavam de volta para casa no asfalto molhado. Diante do varal de roupas, alguns meninos jogavam futebol. A senhora Henriksen cambaleava com o peso das sacolas de compras em direção ao portão de entrada. Mais adiante dava para ver também Kristin e John. Logo os dois entrariam em casa espalhando sujeira e areia por todos os lados.
Aquele ruído infernal não queria parar. Os breves toques da sirene a arrepiavam até a medula. E as pessoas que desciam dos ônibus não apresentavam claros sinais de nervosismo? De pânico? Ela ouviu seus filhos subindo a escada.
Segundos apenas. Tudo o que é importante acontece no espaço de poucos segundos.
Toca a campainha. Ela corre para a porta, e as crianças entram esbaforidas.
— Que buzina é essa, mamãe?
De repente, ela ouve um ruído estridente no ar. Ela corre outra vez até a janela. E vê ao longe o cogumelo venenoso que sobe ao céu.
— Guerra! — exclama.
Ela agarra as crianças, uma em cada mão, e se precipita para o corredor.
Desce as escadas em direção ao abrigo antiaéreo no subsolo. Passam-se um ou dois minutos. Todos os moradores do edifício já estão lá. Onde está Jens?, ela pensa. Será que está no carro vindo para casa? Ou ainda estará no escritório?

O vizinho trouxe um rádio: “...repetimos: eclodiu uma guerra nuclear entre a Otan e os países do Pacto de Varsóvia. Por favor, dirijam-se imediatamente aos abrigos. Kolsäs foi atingida há alguns minutos por uma bomba atômica. Foram mortos milhares de nossos compatriotas. Médicos, enfermeiras e militantes da defesa civil devem permanecer na escuta. O mesmo vale para militares da ativa e cidadãos alistados no serviço militar. Em poucos minutos, transmitiremos o pronunciamento da primeira-ministra...”.
Ela abraça seus filhos e chora.
Ela sempre temeu esses segundos. Quantas vezes já não havia sonhado com eles? À noite acordava gritando de pavor.
Mas isso não era um sonho nem um pesadelo. Era aqui e agora.

Sua vida. Que importância ainda tinha agora? Nesse momento sua vida era um sonho e todo o resto, a realidade. Ela fora inserida nessa vida, nesse tempo. Agora tudo chorava ao seu redor: mulheres e crianças deitadas no chão de cimento choravam. Homens também. O zelador do primeiro andar. Ele também soluçava no seu canto.

Segundos.

Depois uma explosão medonha. Uma luz azulada invade o local. Depois dela uma onda de calor tropical. Os olhos começam a derreter.

Ela reza. Pela primeira vez em quinze anos.

— Meu bom Deus — ela reza. — Faça com que isso seja um sonho! Eu tenho errado tanto. Faça com que isso seja um sonho, meu bom Deus. Apenas você pode. Me dê mais uma chance de evitar isso tudo!

Então ela abre os olhos. Ela é atendida. Ela terá sua chance.
Dessa vez, ela não gritou. Ao seu lado, a cama está vazia. Então Jens entra e lhe acaricia os cabelos.

— Acordada, querida? Preciso ir agora. Volto lá pelas cinco, cinco e meia. Como sempre.


(GAARDER, Jostein. O Pássaro Raro. São Paulo, SP, Cia das Letras, 2002.)


Uma palavra pra você:
E você, amigo leitor, saiba que sua vida não é eterna, e que um dia você seguirá o caminho de todos os mortais – a morte.
Se você estivesse numa situação muito perigosa, perto da morte, certamente prometeria até o que não pode cumprir a fim de se ver livre, e pensaria nas coisas que deveria ter feito e não fez, e nas que fez e não deveria ter feito! Esta reflexão vem para te acordar e dizer: hei você ainda está bem, ainda não é o fim, viva o dia de hoje como se fosse o seu último, ame as pessoas que te cercam, faça o bem, busque a Deus de todo o seu coração e seja feliz!

O passado já não existe mais,
o futuro ainda vai nascer,

mas o presente está acontecendo agora!



Todo vez que o Evangelho é proclamado deve haver libertação! Mas a libertação não ocorre com exorcismo! Ela ocorre quando a verdade é anunciada e a mente da pessoa é iluminada, e ela compreende quem ela é (pecador) e o que ela precisa (o salvador). Então tal pessoa alcança a libertação.


“Nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.” ( II Coríntios 4.4)


obscurecidos de entendimento, alheios à vida de Deus por causa da ignorância em que vivem, pela dureza do seu coração” (Efésios 4.18)


“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8.32)


“Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado. O escravo não fica sempre na casa; o filho, sim, para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” (João 8.34 – 36)


(Negrito meu)


Exorcismo sem o anúncio da verdade não liberta!


Sendo assim toda obra missionária deve levar libertação! Mas o que temos abaixo é um exemplo de uma obra missionária que “aparentemente” liberta, para enriquecer pastores gananciosos.


É interessante observar no vídeo, que o único que fala a verdade do evangelho é um católico (que cuida das crianças abandonadas), enquanto os pastores chegam ao extremo de cobrarem 50 dólares por uma cura, em um país onde a média salarial anual é de 100 dólares apenas!


O Vídeo abaixo é uma reportagem do canal ABC, e mostra missões corruptas no Congo – África.



sábado, 10 de outubro de 2009

Os pecados capitais da Igreja


A igreja, como o corpo de Cristo, é santificada pelo Espírito Santo, mas esta se constitui de pessoas que foram justificadas pela fé, e que adentraram no reino de Deus. Porém, as instituições religiosas cristã, que abrigam cristãos, seja ela qual for, são passíveis de corrupção e desalinhamento da verdade do Evangelho. Dessa forma, facilmente verificamos denominações e instituições que tem o nome igreja se comportarem de maneira oposta á Igreja de Cristo. Abaixo temos um exemplo de como uma instituição dita cristã na sua conduta pode não ser cristã. (Apesar da matéria se referir à igreja católica, coisas semelhantes ocorrem em denominações evangélicas, e qualquer organização religiosa).

Eis o perigo de sermos membros de uma instituição e não sermos membros do corpo de Cristo!


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Esta é uma reprodução da matéria da Revista Aventuras na História, editora Abril, edição 45, maio de 2007, página 30.


Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço


Respeitar os pecados capitais (criados pela própria Igreja) nem sempre foi prioridade no Vaticano.

No século 6, o papa Gregório I fez uma lista com sete pecados capitais. O catálogo hoje faz parte da doutrina da Igreja: gula, avareza, inveja, ira, soberba, luxúria e preguiça. Os fiéis sempre foram orientados a não ceder a nenhum deles.
Apesar disso, é possível identificar pelo menos seis pecados capitais na história do Vaticano - o da preguiça, se houve, ficou bem disfarçado dentro dos domínios da Igreja.

GULA
Vários papas são conhecidos por ter protagonizado banquetes pantagruélicos. Há até um caso em que a gula está ligada à morte de um pontífice. Em 1471, Paulo II caiu duro logo após comer dois grandes melões sozinho - há suspeita de que ele tenha sido envenenado.

AVAREZA
O maior exemplo da sede de riqueza dos papas é a Doação de Constantino, forjada por volta do ano 800. Imitando um decreto do imperador romano, que vivera 500 anos antes, o falso documento simplesmente doava toda a Europa Ocidental ao papado. Até o fim da Idade Média, muita gente acreditou na farsa.

INVEJA
Em busca do cargo máximo da Igreja, alguns pontífices são acusados de ter mandado matar seus antecessores. O caso mais impressionante é o de Bonifácio VII, que nem precisou de intermediários. Em 974, ele mesmo estrangulou Bento VI para tomar seu lugar.

IRA
Durante o Renascimento, papas não só declaravam guerra como partiam pessoalmente para a briga. Um exemplo foi Júlio II, que chegou a bater até em seus aliados. Certa vez, espancou cardeais que não quiseram segui-lo numa cavalgada pela neve.

SOBERBA
Em 1870, o Concílio Vaticano I (reunião de cúpula da Igreja) declarou que o papa seria infalível em questões de ética e fé. Ao se pronunciar sobre esses dois temas, ele jamais erraria. Os críticos disseram que a decisão tinha menos a ver com a doutrina católica do que com os objetivos politicos de Pio IX, o primeiro papa "infalível".

LUXÚRIA
No início do cristianismo, os papas podiam se casar e ter filhos, assim como qualquer padre da época. Mais tarde, eles se tornaram os grandes defensores do celibato na Igreja. Isso não impediu que, no século 16, o pontífice Alexandre VI tivesse pelo menos nove filhos com três mulheres e ostentasse publicamente a amante Giulia "A Bela" Farnese.


terça-feira, 6 de outubro de 2009

A Centralidade da Cruz


A muito tempo eu li o livro A Cruz de Cristo, do renomado teólogo John Stott, e logo no primeiro capítulo ele chama atenção para um quadro que expressa certas verdades teológicas sobre a vida e vinda do Messias – Jesus Cristo. E por muito tempo eu tive a curiosidade de ver o tal quadro (já que o livro não o reproduz), mas só a pouco eu tive a oportunidade de visualizá-lo. Então aqui eu reproduzo o texto de John Stott e abaixo a obra de arte de Holman Hunt.

(Perdoe-me os meus irmão mais ortodoxos que repudiam qualquer imagem representando Jesus, mas lembro-lhes o meu objetivo (e o do pastor Stott) não é adorar um quadro, mas usá-lo para ilustrar a missão de Jesus – A CRUZ!).


A Centralidade da Cruz


Conhece o leitor o quadro de Holman Hunt, líder da Irmandade Rafaelita, intitulado "A Sombra da Morte"? Ele representa o interior da carpintaria de Nazaré. Jesus, nu até a cintura, está em pé ao lado de um cavalete de madeira sobre o qual colocou a serra. Seus olhos estão erguidos ao céu, e seu olhar é de dor ou de êxtase, ou de ambas as coisas. Seus braços também estão estendidos acima da cabeça. O sol da tarde, entrando pela porta aberta, lança, na parede atrás dele, uma sombra negra em forma de cruz. A pra­teleira de ferramentas tem a aparência de uma trave horizontal sobre a qual suas mãos foram crucificadas. As próprias ferramentas lembram os fatídicos prego e martelo.

Em primeiro plano, no lado esquerdo, uma mulher está ajoelhada entre as aspas de madeira. Suas mãos descansam no baú em que estão guardadas as ricas dádivas dos magos. Não podemos ver a face da mulher, pois ela se encontra virada. Mas sabemos que é Maria. Ela parece sobressaltar-se com a sombra em forma de cruz que seu filho lança na parede.

Os pré-rafaelitas têm fama de serem sentimentais. Contudo, eram artistas sérios e sinceros, e o próprio Holman Hunt estava decidido, conforme ele mesmo disse, a "batalhar contra a arte frívola da época" — o tratamento superficial de temas banais. Ele passou os anos de 1870 a 1873 na Terra Santa, onde pintou "A Sombra da Morte" em Jerusalém, no telhado da sua casa. Embora a idéia historicamente seja fictícia, é, contudo, teologicamente verdadeira. Desde a infância de Jesus, deveras desde o seu nascimento, a cruz lança uma sombra no seu futuro. Sua morte se encontrava no centro da sua missão. E a igreja sempre reconheceu essa realidade.

(STOTT, John. A Cruz de Cristo. Editora Vida, 2000. São Paulo, SP.)



Clique na imagem para ampliar





quinta-feira, 1 de outubro de 2009

A Missão que Mata, Rouba e Destrói.



O vídeo, abaixo é uma amostra de como em nome de Jesus, missões ditas evangélicas, podem promover morte, roubo e destruição e não é perceptível a vida abundante que só Jesus pode dar! (veja João 10.10).


Nesse vídeo chegamos ao absurdo de ouvir e ver crianças que sofrem e são torturadas em nome de falsa fé evangélica.
E ainda, o absurdo da manipulação pela fé, que chega ao ponto de pastores oferecerem libertação por dinheiro! E isso numa das comunidades mais carente do mundo!
Essa missão diabólica que destrói famílias e incuti o medo!
Esse tipo de missão que faz do povo meras marionetes, ao ponto de desprezarem àquelas que das tais é o reino dos céus (as crianças)!
Missão maldita que profana a pessoa de Jesus, passando a imagem de um evangelho que só existe nas mentes insanas de pastores mercenários!







Diante do que vi e li não me contive e mais uma vez venho falar das falsas missões...


Há uma frase muito conhecida do meio evangélico, inclusive usada como tema de congressos, que diz:

“Missões estão no coração de Deus”

Eu compartilho desse pensamen
to, pois creio na veracidade do evangelho que diz:


“E percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades. Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor. E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.”
(Mateus 9. 35 a 38)

Observe vem o texto! O que Jesus estava fazendo?
Missão:
“E percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando
toda sorte de doenças e enfermidades.”
A missão de Jesus incluía: ensinar, pregar e curar!

Qual é o sentimento de Jesus na sua atividade missionária?
“Vendo ele as multidões, compadeceu-s
e delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor.”
Jesus estava cheio de compaixão, profundo amor, pelas vidas que estavam sendo destruídas, e mais, não havia ninguém para lhes oferecer libertação, pois não tinham pastor!

Qual é a atitude de Jesus diante da cena?
“E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.”


Jesus pede aos seus discípulos para orem a Deus para que envie pessoas que executem uma obra que corresponda às reais necessidades dos que sofrem! Ou seja, pessoas que leve alivio, libertação e cuidado pastoral! Libertação que está muito além de exorcizar demônios! É a libertação que vem pela proclamação do evangelho: “conhecereis a verdade, e a verdade vos li
bertará” (João 8.32).

Quanto Jesus cobrava? NADA!
Quantas pessoas devem destruir suas famílias para alcançarem o consolo? NENHUMA!

Onde está o ódio? Onde está a exploração das fraquezas dos sofrem? Em Jesus não há!

Como já escrevi no texto anterior (A Missão ou OMissão da Igreja?, quem não leu leia), toda missão que parte do coração
de Deus nasce e desenvolve-se em amor!

Nunca espalha, sempre ajunta!
Nunca pune, sempre perdoa!
Nunca macula, mas sempre limpa e purifica!
Nunca destrói, mas sempre constrói!
Nunca rouba, mas sempre dá!
Nunca se aproveita da situa
ção difícil das ovelhas cansadas, mas sempre busca tirá-las por completo dessa situação, nem que isso signifique padecer junto!

Na obra missionária de Jesus, ele nada pediu, sempre deu, ao ponto de dar a própria vida! E não é essa a mensagem que levamos? De um salvador que deu a vida? Logo todo tipo de missão que tira vida, rou
ba e espolia o pobre e destrói famílias, é de origem satânica e não pode ser de Cristo!

Se você quer ajudar ou ser ativo em obras mi
ssionárias, seja! Mas verifique se Jesus realmente está presente com sua vida de amor nessa missão em que você se envolve!
(Alexandre L.M Brandão).



Leia o texto abaixo (na postagem abaixo) do pastor Caio Fabio, e se você se interessou em ajudar a resolver a situação das crianças na Nigéria acesse: www.caiofabio.com/ca
minho/form2.asp

Abaixo esta a reprodução de um e-mail que recebi do site do pastor Caio Fabio (http://www.caiofabio.com/2009/conteudo.asp?codigo=05337):


----- Original Message -----

From: PASTORES ESTÃO MANDANDO OS PAIS MATAREM SEUS FILHOS POR CAUSA DE BRUXARIA...

To: CAIO

Sent: Friday, September 25, 2009 12:37 PM



Subject: Uma grande tragédia!

Pastores de igrejas evangélicas na Nigéria estão acusando crianças de serem bruxas, levando ao abuso e a crueldade indescritíveis a crianças inocentes.
Elas estão sendo abandonadas pelos pais para morrerem, isso quando não são mortas, espancadas, queimadas, envenenadas, enterradas vivas, amarradas a árvores, entre outras crueldades.
Estima-se que cerca de 5.000 crianças foram abandonadas desde 1998, e que de cada 5 crianças abandonadas, uma acaba morrendo, e as que sobrevivem ficam em estado de choque.
Os pastores fazem parte das igrejas evangélicas "Assembléia do Novo Testamento", "Igreja de Deus das Missões", "Evangelho Monte Sião", "Glória de Deus", "Irmandade da Cruz", "Liberdade do Evangelho", entre muitas outras.
São os pastores que dizem que as crianças estão enfeitiçadas, e eles prometem fazer um exorcismo para curar as bruxas mediante pagamento, que pode custar 3 a 4 meses de trabalho.
Com a grande maioria das pessoas não podem pagar, elas abandonam as crianças, ou utilizam outros métodos para tentar "curá-las".


http://www.youtube.com/watch?v=EJLULM_FAzE
http://www.guardian.co.uk/world/2007/dec/09/tracymcveigh.theobserver


Estou ficando cada vez mais triste com essas notícias.

André Nachtigall Tessmann


_________________________________

Respostas:


Meu irmão: Graça e Paz!


Realmente é uma grande tragédia humana, antes de ser uma tragédia “cristã”. Porém, como o contexto das loucuras é “cristão”, sobretudo envolvendo “pastores”, de fato a tragédia fica infinitamente pior...

O fato é que do Oriente ao Ocidente, do Norte ao Sul, os frutos do “Cristianismo” são um só em natureza e qualidade...

Agora, mais do que nunca, muitos virão do Oriente e do Ocidente, do Norte do Sul, e entrarão no reino, embora os “filhos do reino” venham a ficar de fora!...

Graças a Deus existe gente que não é da “igreja”..., mas que é da bondade e da justiça da Ordem de Melquizedeque, Rei de justiça e paz...

Veja o vídeo e me diga quem é o anjo do lugar... Sim, a “igreja” ou o “pagão” amoroso?...


http://www.youtube.com/watch?v=EJLULM_FAzE


O único defensor local é um “estranho” à fé... Esse se levantará no juízo e julgará a todos os “evangélicos” daquela nação...

E onde estão os missionários que ganham uma grana preta na América e na Europa para serem “missionários” na Nigéria ou na África?...


Infelizmente, quase que totalmente, os “pastores” no mundo inteiro se tornaram lobos perversos e gananciosos...

Já imaginou o juízo de Deus que virá sobre esses “pastores da morte”?...


Qualquer bruxo pagão estará em situação infinitamente mais confortável no Juízo do que essa pastorada do diabo!

Quando o cristianismo mágico [pentecostal ou neo-pentecostal] se funde à bruxaria pagã + teologia do dinheiro [prosperidade] = o resultado é esse: prega-se o medo a fim de arrancar até as unhas das pessoas...


A Idade média ainda era sofisticada perto do que está acontecendo ao “Cristianismo Evangélico Pentecostal” no mundo...


Os níveis de obscurantismo no qual os “evangélicos” no mundo inteiro têm se colocado, não tem paralelos [...] em nenhum outro grupo...


Há índios deixando suas crianças morrerem por razões culturais ligadas à seleção natural... Filhos doentes são deixados... Como fazem os animais com suas crias fracas... Mas são “pagãos” fazendo isso... E não é nada além de cultura de sobrevivência...


Aqui, neste caso, no entanto, a situação é muito mais grave; infinitamente mais maligna; posto que não apenas os “pastores” induzam o povo a entregar seus filhos à morte, como também se ofereçam para resolver o problema desde que esses pais pobres e miseráveis paguem pela libertação...

São pastores do diabo!...


Sim, todo pastor, aqui, lá, além ou em qualquer lugar, que aja desse modo, que amaldiçoe e cobre para libertar, é diabo. Sim, é demônio. Sim, é filho de Satanás.


Estou enviando esta carta com cópia para alguns irmãos do Caminho da Graça, pois, se tem de haver uma prioridade missionária no momento, esta seria enviar alguns até lá a fim de vermos como podemos ajudar nessa situação...

Não é difícil ajudar... Sim, uns cinco discípulos de verdade e da verdade resolveriam esse problema rapinho; digo: em relação ao problema das crianças e seus pais; embora o grande problema em tal caso seja ter que lidar com as manipulações que os “pastores” farão a fim de não perderem a “boca”...; a qual, nesse caso, não é uma “boca”, mas a própria Garganta do Diabo...

Alguém ainda tem dúvida quando digo que o “Cristianismo” está todo endiabrado?

É por isto que o verdadeiro povo de Jesus será muito perseguido no futuro; sim, tudo em razão do “Cristianismo”; posto que o “Cristianismo” venha ainda a ser muito perseguido, merecidamente; embora na sua esteira todos os filhos de Deus que confessem Jesus também venham a sofrer com as conseqüências dos “atos cristãos” na terra.

No Caminho da Graça quem cuida das iniciativas fora do Brasil é meu filho no amor Marcelo Quintela. Se você deseja ajudar de algum modo, ou mesmo se tem meios para fazer parte de uma viagem até lá a fim de ajudar com fé e intrepidez no Espírito Santo, então, escreva para o Marcelo:


marceloquintela@caiofabio.com


E mais: você pode também ajudar enviando ao Marcelo todas as informações que você possa obter no que tange a quem possa nos receber em nossa eventual visita para libertação dessas crianças...


Gente! A coisa é séria. Tem gente pensando que é brincadeira... Tem gente pensando que é exagero... Cuidado!


Chegou a hora de cada um escolher e decidir a quem servir: se ao Evangelho de Jesus ou se à essa fabricação demoníaca praticada em nome de Jesus pelo poder do diabo.


Com oração por essas crianças e seus ignorantes e abusados pais, ao mesmo tempo em que Deus vê a minha indignação com o que os “pastores” fazem num dos lugares mais miseráveis do mundo; e agindo de um modo a fazer até os bruxos do Taiti corarem de vergonha... — é que me despeço de você por enquanto...


Peço que todos os que lerem esta carta que vejam pelo menos o 1º link que foi enviado. É algo a ser visto...


Você, meu mano, obrigado pela informação.

Receba todo meu carinho.

Que o Senhor nos ajude a fazermos alguma coisa...

Nele, com a fé que não assiste...,

Caio

25 de setembro de 2009

Lago Norte

Brasília

DF


(http://www.caiofabio.com/2009/conteudo.asp?codigo=05337):



Para maiores informações leia as postagens acima, ou acesse:
http://www.caiofabio.com/2009/conteudo.asp?codigo=05337
http://www.caiofabio.com/caminho/form2.asp